Sabemos que lidar com os impostos pode ser um desafio para as microempresas. Por isso, estamos aqui para ajudá-lo a entender quais impostos sua empresa pode precisar pagar. Nesta seção, forneceremos informações sobre os principais impostos que afetam as microempresas, de forma clara e objetiva. Entendemos que cada empresa é única, e as obrigações fiscais podem variar dependendo da atividade e localização. Portanto, é essencial contar com o apoio de um escritório de contabilidade especializados para garantir que sua empresa esteja em conformidade com a legislação tributária.

Nesta página, você encontrará uma visão geral dos principais impostos que podem ser aplicáveis à sua microempresa, como ICMS, ISS, IRPJ, CSLL, PIS, COFINS, IPI e o regime simplificado de tributação conhecido como Simples Nacional. Estamos aqui para ajudá-lo a compreender melhor essas obrigações fiscais, proporcionando clareza e orientação. Se você tiver dúvidas específicas ou precisar de suporte personalizado, não hesite em entrar em contato conosco. Nossa equipe de contadores experientes está pronta para ajudá-lo a navegar pelo mundo dos impostos e garantir o cumprimento das suas obrigações fiscais.

Confie em nós para simplificar seus impostos e permitir que você foque no crescimento do seu negócio. Navegue pelos tópicos abaixo para saber mais sobre cada imposto e como eles podem afetar sua microempresa.

ÍNDICE:

  1. Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS):
    • Aplicável às empresas que realizam atividades de comércio de bens e serviços.
    • O valor do ICMS varia de acordo com o estado em que a empresa está registrada.
  2. Imposto sobre Serviços (ISS):
    • Aplicável às empresas prestadoras de serviços, como consultorias, agências de publicidade, escritórios de contabilidade, entre outros.
    • O valor do ISS é definido pelo município onde a empresa está estabelecida.
  3. Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ):
    • Aplicável a todas as empresas, incluindo microempresas.
    • Calculado com base no lucro real, presumido ou arbitrado da empresa.
  4. Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL):
    • Aplicável a todas as empresas.
    • Calculado sobre o lucro líquido da empresa, sendo destinado para financiar a seguridade social.
  5. Programa de Integração Social (PIS) e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS):
    • Aplicáveis a todas as empresas.
    • São contribuições federais calculadas sobre o faturamento ou o lucro da empresa.
  6. Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI):
    • Aplicável às empresas industriais ou que realizam atividades de importação.
    • Calculado sobre o valor dos produtos industrializados ou importados.
  7. Simples Nacional:
    • Regime simplificado de tributação para micro e pequenas empresas.
    • Engloba diversos impostos em uma única guia de pagamento. 
  8. 25 Dicas sobre Quais impostos uma Micro Empresa paga?
  9. Conclusão: Quais impostos uma Micro Empresa paga?

.

.

  1. Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS):

    Aplicável às empresas que realizam atividades de comércio de bens e serviços.

    O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) é um imposto estadual aplicável às empresas que realizam atividades de comércio de bens e serviços. Ele incide sobre a circulação de mercadorias, transporte interestadual e intermunicipal, além de prestações de serviços de transporte e de comunicação. O valor do ICMS varia de acordo com o estado em que a empresa está registrada, pois cada estado possui sua própria alíquota e legislação específica. É importante conhecer as regras do estado em que a empresa está localizada para calcular corretamente o ICMS devido.

    As microempresas enquadradas no regime tributário do Simples Nacional já têm o ICMS incluído na guia única de pagamento desse regime simplificado, facilitando a gestão e o recolhimento desse imposto. Caso a microempresa não esteja enquadrada no Simples Nacional, será necessário calcular e recolher o ICMS de acordo com as regras estaduais vigentes, cumprindo as obrigações acessórias exigidas pelas autoridades fiscais estaduais. Lembrando que é fundamental consultar um contador ou especialista em contabilidade para obter orientações específicas sobre o ICMS e suas obrigações fiscais relacionadas.

     

    O valor do ICMS varia de acordo com o estado em que a empresa está registrada.

    Isso mesmo! O valor do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) varia de acordo com o estado em que a empresa está registrada. Cada estado possui autonomia para estabelecer suas alíquotas e regras específicas para o ICMS. Dessa forma, as alíquotas do ICMS podem ser diferentes em cada estado brasileiro. Além disso, existem diferentes regimes de tributação dentro do ICMS, como o regime normal e o regime simplificado.

    No regime normal, as alíquotas do ICMS são determinadas de acordo com a legislação estadual e podem variar dependendo da natureza da operação, tipo de mercadoria ou serviço, localização da empresa, entre outros fatores. No regime simplificado, como o Simples Nacional, as microempresas e empresas de pequeno porte têm o ICMS unificado com outros impostos, o que simplifica o recolhimento e a gestão tributária. Nesse caso, a alíquota efetiva do ICMS já está incluída na guia única de pagamento do Simples Nacional. Portanto, é importante estar atento às alíquotas e regras específicas do ICMS do estado em que sua empresa está registrada, bem como cumprir as obrigações acessórias exigidas pelas autoridades fiscais estaduais, como a emissão de notas fiscais e a entrega de declarações periódicas.

    Consultar um contador ou especialista em contabilidade é fundamental para garantir que sua empresa esteja em conformidade com as normas estaduais do ICMS e realizar corretamente o cálculo e o recolhimento desse imposto.

  2. Imposto sobre Serviços (ISS):

    Aplicável às empresas prestadoras de serviços, como consultorias, agências de publicidade, escritórios de contabilidade, entre outros.
    O Imposto sobre Serviços (ISS) é um imposto municipal aplicável às empresas prestadoras de serviços, como consultorias, agências de publicidade, escritórios de contabilidade, entre outros. Ele incide sobre a prestação de serviços listados na legislação municipal. Cada município tem autonomia para estabelecer suas próprias regras e alíquotas do ISS. Portanto, as alíquotas podem variar de cidade para cidade. É importante consultar a legislação municipal do local onde a empresa está estabelecida para conhecer as alíquotas específicas e as regras relacionadas ao ISS.

    O valor do ISS é calculado com base no preço do serviço prestado, podendo ser fixo, percentual ou variável, de acordo com a legislação municipal. As empresas prestadoras de serviços são responsáveis por recolher o ISS mensalmente e emitir a nota fiscal de serviços aos seus clientes. Assim como no caso do ICMS, as microempresas enquadradas no regime do Simples Nacional têm o ISS incluído na guia única de pagamento desse regime simplificado. É fundamental contar com o auxílio de um contador ou especialista em contabilidade para garantir o correto cálculo, recolhimento e cumprimento das obrigações fiscais relacionadas ao ISS, de acordo com as normas municipais aplicáveis.

     

    O valor do ISS é definido pelo município onde a empresa está estabelecida.
    O valor do Imposto sobre Serviços (ISS) é definido pelo município onde a empresa está estabelecida. Cada município brasileiro tem autonomia para estabelecer suas próprias alíquotas e regras relacionadas ao ISS. Essa autonomia municipal permite que cada localidade defina as alíquotas que serão aplicadas sobre os serviços prestados em seu território. Portanto, as alíquotas do ISS podem variar de cidade para cidade. Além das alíquotas, os municípios também têm autonomia para determinar as regras de recolhimento, obrigações acessórias e demais normas relacionadas ao ISS. Essas regras são estabelecidas em legislações municipais específicas.

    É importante que as empresas prestadoras de serviços estejam atentas às alíquotas e normas estabelecidas pelo município onde estão estabelecidas. É necessário realizar o cálculo correto do ISS de acordo com a alíquota vigente, recolher o imposto dentro dos prazos estipulados e cumprir as obrigações acessórias exigidas pelas autoridades municipais, como a emissão de notas fiscais de serviços e a entrega de declarações. Recomenda-se buscar o suporte de um contador ou especialista em contabilidade para garantir o cumprimento adequado das obrigações fiscais relacionadas ao ISS, de acordo com as regras específicas do município em que a empresa está estabelecida.

     

     

  3. Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ):

    Aplicável a todas as empresas, incluindo microempresas.
    Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ):

    O Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) é um imposto federal aplicável a todas as empresas, incluindo microempresas. Ele incide sobre o lucro real, presumido ou arbitrado da empresa, dependendo do regime tributário em que a empresa está enquadrada. O lucro real é calculado com base no resultado contábil da empresa, considerando todas as receitas, despesas, custos e encargos do negócio. O IRPJ é calculado aplicando-se uma alíquota sobre o lucro real, de acordo com a legislação vigente. No regime do Simples Nacional, as microempresas têm uma alíquota única que já engloba o IRPJ, facilitando o recolhimento desse imposto. Já as empresas que não se enquadram no Simples Nacional devem calcular e recolher o IRPJ de acordo com as regras do regime tributário escolhido (lucro real, presumido ou arbitrado).

    Além do IRPJ, as empresas também estão sujeitas à Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), que incide sobre o lucro líquido e tem uma alíquota específica estabelecida pela legislação. O cálculo correto e o cumprimento das obrigações fiscais relacionadas ao IRPJ e à CSLL são fundamentais para evitar problemas com a Receita Federal. É recomendado buscar o auxílio de um contador ou especialista em contabilidade para garantir que sua empresa esteja em conformidade com as normas fiscais e realize o recolhimento adequado desses impostos.

     

    Calculado com base no lucro real, presumido ou arbitrado da empresa.

    O Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) é calculado com base no lucro real, presumido ou arbitrado da empresa. Esses são os três regimes de apuração do lucro para fins de cálculo do IRPJ.

    1. Lucro Real: No regime de Lucro Real, o IRPJ é calculado com base no lucro líquido apurado pela empresa, levando em consideração todas as receitas, despesas, custos e encargos. É obrigatório para algumas empresas, como as que têm receita bruta superior a determinado limite ou aquelas que exercem atividades específicas.
    2. Lucro Presumido: No regime de Lucro Presumido, o IRPJ é calculado com base em uma margem de lucro pré-determinada pela legislação, aplicada sobre a receita bruta da empresa. Para empresas que se enquadram nesse regime, o cálculo do IRPJ é simplificado, considerando uma margem de lucro presumida.
    3. Lucro Arbitrado: No regime de Lucro Arbitrado, o IRPJ é calculado de forma arbitrária pela autoridade fiscal, quando a empresa não apresenta a escrituração contábil de forma adequada, não mantém a documentação fiscal correta ou não apresenta as informações necessárias. Nesse caso, a autoridade fiscal pode arbitrar o lucro da empresa e calcular o IRPJ com base nesse valor.

    É importante ressaltar que cada regime de apuração do lucro possui suas próprias regras e obrigações acessórias. É necessário escolher o regime adequado à realidade da empresa e cumprir as exigências fiscais correspondentes. Recomenda-se sempre buscar o apoio de um contador ou especialista em contabilidade para realizar o correto cálculo do IRPJ com base no regime de apuração do lucro escolhido pela empresa.

     

     

  4. Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL):

    Aplicável a todas as empresas.
    O Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) é, de fato, aplicável a todas as empresas, independentemente do seu porte, incluindo microempresas. O IRPJ incide sobre o lucro obtido pela empresa, seja ela uma microempresa ou uma grande corporação. O lucro é calculado com base nas receitas, despesas, custos e encargos do negócio, considerando o regime de tributação em que a empresa está enquadrada (lucro real, presumido ou arbitrado).

    Cada regime de tributação tem suas próprias regras e alíquotas específicas para o cálculo do IRPJ. É importante observar que as microempresas optantes pelo Simples Nacional já têm o IRPJ incluído na guia única de pagamento desse regime simplificado, o que facilita o cumprimento das obrigações fiscais. No caso das empresas que não estão enquadradas no Simples Nacional, é necessário realizar o cálculo do IRPJ de acordo com as regras estabelecidas pela Receita Federal do Brasil e fazer o recolhimento em prazos determinados. É fundamental buscar o auxílio de um contador ou especialista em contabilidade para garantir que a empresa esteja em conformidade com as normas fiscais e cumpra corretamente as obrigações relacionadas ao IRPJ, evitando problemas futuros com a Receita Federal.

     

    Calculado sobre o lucro líquido da empresa, sendo destinado para financiar a seguridade social.
    O Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) é um tributo calculado sobre o lucro líquido das empresas. O lucro líquido é obtido subtraindo-se do valor total das receitas os custos e despesas relacionados às atividades empresariais. Parte do valor arrecadado pelo IRPJ é destinada ao financiamento da seguridade social, que compreende a Previdência Social, a Assistência Social e a Saúde Pública. Essa destinação tem como objetivo garantir recursos para o funcionamento e a manutenção dos serviços e benefícios sociais oferecidos à população.

    A seguridade social é fundamental para assegurar direitos sociais e proteção aos trabalhadores, incluindo aposentadoria, pensões, auxílios, benefícios assistenciais, entre outros. O financiamento por meio do IRPJ contribui para o fortalecimento e a sustentabilidade desses programas e serviços. É importante destacar que o cálculo e o recolhimento adequados do IRPJ são essenciais para garantir a conformidade fiscal da empresa. É recomendado contar com o apoio de um contador ou especialista em contabilidade para realizar corretamente os cálculos e cumprir as obrigações fiscais relacionadas ao IRPJ, assegurando o correto financiamento da seguridade social.

     

     

  5. Programa de Integração Social (PIS) e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS):

    Aplicáveis a todas as empresas.
    O Programa de Integração Social (PIS) e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS) são contribuições sociais aplicáveis a todas as empresas, independentemente do seu porte. O PIS e a COFINS são contribuições federais que têm como objetivo financiar a seguridade social, que engloba a Previdência Social, a Assistência Social e a Saúde Pública. Essas contribuições são calculadas com base no faturamento da empresa, ou seja, na receita bruta obtida com suas atividades operacionais.

    As alíquotas do PIS e da COFINS podem variar de acordo com a atividade da empresa e o regime de tributação em que ela se enquadra. No regime do Lucro Real, as alíquotas são definidas pela legislação específica. Já no regime do Lucro Presumido e no Simples Nacional, as alíquotas são fixas e estabelecidas pela legislação correspondente. O PIS e a COFINS são recolhidos mensalmente pela empresa e devem ser declarados em suas obrigações acessórias, como a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF) e a Escrituração Contábil Fiscal (ECF).

    É importante contar com a assessoria de um contador ou especialista em contabilidade para garantir o correto cálculo e recolhimento do PIS e da COFINS, de acordo com as regras estabelecidas pela Receita Federal do Brasil. Assim, a empresa estará em conformidade com as obrigações fiscais relacionadas a essas contribuições.

     

    São contribuições federais calculadas sobre o faturamento ou o lucro da empresa.
    O Programa de Integração Social (PIS) e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS) são contribuições sociais federais que incidem sobre o faturamento ou o lucro da empresa, dependendo do regime de tributação em que ela se enquadra. No regime do Lucro Real, o PIS e a COFINS são calculados sobre o faturamento bruto da empresa. Essas contribuições são aplicadas a todas as receitas auferidas, deduzindo-se os valores de vendas canceladas, descontos concedidos e alguns outros ajustes permitidos pela legislação.

    Já no regime do Lucro Presumido, o cálculo do PIS e da COFINS é realizado com base em uma porcentagem pré-determinada aplicada sobre o faturamento bruto da empresa. Essa porcentagem varia de acordo com a atividade econômica da empresa. Além disso, é importante destacar que existe uma sistemática específica para o cálculo e o recolhimento do PIS e da COFINS no regime do Simples Nacional, que é um regime simplificado para microempresas e empresas de pequeno porte. As alíquotas do PIS e da COFINS podem variar de acordo com a natureza da receita, podendo ser cumulativas ou não cumulativas. No regime da não cumulatividade, é permitido o aproveitamento de créditos relacionados a despesas e custos incorridos pela empresa.

    É fundamental que as empresas estejam atentas às regras e obrigações fiscais relacionadas ao PIS e à COFINS, realizando corretamente os cálculos e efetuando o recolhimento dessas contribuições de acordo com a legislação vigente. Para isso, recomenda-se buscar o apoio de um contador ou especialista em contabilidade, que poderá orientar a empresa de forma adequada.

     

     

  6. Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI):Aplicável às empresas industriais ou que realizam atividades de importação.
    O Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) é um tributo federal aplicável às empresas industriais e às empresas que realizam atividades de importação. Ele incide sobre a fabricação e a importação de produtos específicos, com o objetivo de regular a produção e o consumo desses bens. O IPI é calculado com base no valor da operação de venda do produto ou no valor aduaneiro da importação, incluindo o preço do produto, os custos de transporte e seguro, e outros encargos relacionados à importação. A alíquota do IPI varia de acordo com a natureza do produto e é definida pela Tabela de Incidência do IPI, estabelecida pela legislação tributária brasileira. Produtos considerados essenciais, como medicamentos e alimentos, podem ter alíquotas reduzidas ou até mesmo a isenção do imposto.

    Além disso, algumas operações e situações específicas podem ser beneficiadas com incentivos fiscais, como a redução da alíquota ou a suspensão do pagamento do IPI, desde que cumpridos determinados requisitos legais. As empresas industriais e as empresas que realizam importações devem cumprir as obrigações acessórias relacionadas ao IPI, como o registro de suas operações em documentos fiscais específicos, a apuração do imposto de forma mensal e o recolhimento aos cofres públicos. É importante que as empresas estejam em conformidade com a legislação tributária, cumprindo corretamente as obrigações relacionadas ao IPI. Recomenda-se contar com a assessoria de um contador ou especialista em contabilidade para garantir o correto cálculo e recolhimento do imposto, evitando problemas fiscais no futuro.

     

    Calculado sobre o valor dos produtos industrializados ou importados.
    O Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) é um tributo federal aplicável às empresas industriais e às empresas que realizam atividades de importação. Ele é calculado com base no valor dos produtos industrializados ou importados. O cálculo do IPI é realizado sobre o valor da operação de venda do produto ou sobre o valor aduaneiro da importação. Esse valor engloba não apenas o preço do produto em si, mas também os custos de transporte, seguros e demais encargos relacionados à importação. A alíquota do IPI pode variar de acordo com a classificação do produto na Tabela de Incidência do IPI, estabelecida pela legislação tributária brasileira. Cada produto possui uma alíquota específica, que pode variar de acordo com sua natureza, finalidade e outros critérios estabelecidos pela legislação.

    É importante ressaltar que algumas operações ou situações específicas podem ser beneficiadas com reduções de alíquota, isenções ou suspensões do IPI, desde que estejam de acordo com os requisitos e critérios estabelecidos pela legislação vigente. Esses benefícios fiscais podem estar relacionados a setores específicos da economia, regiões geográficas ou políticas de incentivo governamental. As empresas industriais e as empresas que realizam importações devem cumprir as obrigações fiscais relacionadas ao IPI, como a emissão correta dos documentos fiscais, a apuração adequada do imposto de acordo com as alíquotas aplicáveis, e o recolhimento dos valores devidos nos prazos determinados.

    É essencial que as empresas estejam em conformidade com a legislação tributária, realizando o cálculo e o recolhimento corretos do IPI. Para isso, é recomendado contar com o apoio de um contador ou especialista em contabilidade, que poderá orientar a empresa de acordo com as normas e exigências fiscais vigentes.

     

     

  7. Simples Nacional:

    Regime simplificado de tributação para micro e pequenas empresas.
    O regime simplificado de tributação para micro e pequenas empresas no Brasil é conhecido como Simples Nacional, também chamado de Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições. O Simples Nacional é um regime tributário que tem como objetivo simplificar o pagamento de impostos e contribuições para microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP), unificando diversos impostos em uma única guia de arrecadação. Ele abrange tributos federais, estaduais e municipais, proporcionando uma redução da carga burocrática e facilitando o cumprimento das obrigações fiscais.

    No Simples Nacional, o cálculo dos impostos é realizado com base no faturamento bruto da empresa, sendo aplicadas alíquotas progressivas conforme a faixa de faturamento. Quanto menor o faturamento, menor é a alíquota efetiva a ser paga. Além disso, o Simples Nacional possui uma tabela de alíquotas diferenciadas, que varia de acordo com a atividade econômica da empresa. Essa tabela contempla diferentes setores, desde comércio, serviços e indústria, garantindo uma tributação adequada para cada segmento. No regime do Simples Nacional, as empresas também têm a simplificação das obrigações acessórias, como a unificação das declarações e a redução da quantidade de documentos a serem apresentados.

    É importante ressaltar que nem todas as empresas podem se enquadrar no Simples Nacional. Existem limites de faturamento anual estabelecidos para a adesão a esse regime, bem como restrições para determinadas atividades e situações específicas. Para aderir ao Simples Nacional e obter os benefícios desse regime simplificado de tributação, é fundamental buscar o auxílio de um contador ou especialista em contabilidade. Esses profissionais poderão realizar a análise adequada da situação da empresa e orientar sobre os procedimentos necessários para a adesão ao Simples Nacional, bem como acompanhar as obrigações fiscais ao longo do tempo.

     

    Engloba diversos impostos em uma única guia de pagamento.
    O regime simplificado de tributação para micro e pequenas empresas, conhecido como Simples Nacional, engloba diversos impostos em uma única guia de pagamento. Isso significa que as empresas optantes pelo Simples Nacional recolhem, em uma única guia, os impostos federais, estaduais e municipais devidos. Dentre os impostos abrangidos pelo Simples Nacional estão o Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ), Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), Programa de Integração Social (PIS), Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS), Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS).

    Com a unificação desses impostos em uma única guia de pagamento, o Simples Nacional proporciona às micro e pequenas empresas uma maior simplificação e facilidade no cumprimento das obrigações fiscais. Em vez de ter que lidar com diversas guias e datas de vencimento diferentes, a empresa paga todos os tributos em uma única guia, simplificando a gestão tributária. Essa guia de pagamento unificada é gerada mensalmente pelo sistema do Simples Nacional, levando em consideração o faturamento da empresa e as alíquotas progressivas aplicáveis ao regime. Assim, a empresa realiza o recolhimento dos impostos devidos de forma simplificada e em um único lugar.

    No entanto, é importante destacar que, mesmo com a unificação dos impostos em uma única guia, as empresas optantes pelo Simples Nacional ainda precisam cumprir as obrigações acessórias, como a emissão de documentos fiscais adequados, a escrituração contábil, a entrega de declarações específicas, entre outras exigências. Para garantir a correta gestão tributária e o cumprimento das obrigações fiscais no Simples Nacional, é recomendável contar com o suporte de um contador ou especialista em contabilidade. Eles poderão auxiliar a empresa no cálculo dos impostos, na emissão das guias de pagamento e na orientação sobre as obrigações acessórias, garantindo conformidade com a legislação tributária vigente.

     

     

  8. 20 Dicas sobre Quais impostos uma Micro Empresa paga?
  1. Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS): aplicável a empresas que realizam atividades de comércio de bens e serviços.
  2. Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS): aplicável a empresas prestadoras de serviços, como consultorias, agências de publicidade, escritórios de contabilidade, entre outros.
  3. Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ): calculado com base no lucro real, presumido ou arbitrado da empresa.
  4. Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL): calculado sobre o lucro líquido da empresa, sendo destinado para financiar a seguridade social.
  5. Programa de Integração Social (PIS): contribuição federal calculada sobre o faturamento ou o lucro da empresa.
  6. Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS): contribuição federal calculada sobre o faturamento ou o lucro da empresa.
  7. Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI): aplicável a empresas industriais ou que realizam atividades de importação.
  8. Imposto de Importação (II): aplicável a empresas que realizam importação de produtos.
  9. Contribuição Previdenciária Patronal: destinada ao financiamento da previdência social, calculada sobre a folha de pagamento.
  10. Contribuição para o Sistema S: contribuição destinada ao Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC) e outros serviços sociais autônomos.
  11. Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA): aplicável a empresas que possuem veículos registrados em seu nome.
  12. Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI): aplicável em casos de transmissão de imóveis, como compra e venda ou transferência de propriedade.
  13. Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD): aplicável em casos de heranças, legados e doações.
  14. Imposto sobre Operações Financeiras (IOF): aplicável em operações de crédito, câmbio, seguros e outras transações financeiras.
  15. Contribuição Sindical: contribuição destinada aos sindicatos representativos das categorias econômicas.
  16. Contribuição para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS): recolhimento mensal destinado aos trabalhadores.
  17. Taxas Municipais: podem incluir taxas de alvará de funcionamento, licenciamento ambiental, entre outras.
  18. Contribuição para a Previdência Social (INSS): recolhimento obrigatório sobre a folha de pagamento para a seguridade social.
  19. Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguros (IOF): aplicável em operações financeiras específicas.
  20. Taxas de Licenciamento e Fiscalização: podem ser cobradas por órgãos municipais, estaduais ou federais, de acordo com a atividade da empresa. 

    Conclusão: Quais impostos uma Micro Empresa paga?
    Em conclusão, uma microempresa pode pagar uma variedade de impostos, dependendo da sua atividade e localização. Alguns dos impostos mais comuns que uma microempresa pode pagar incluem:

    1. ICMS: Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços.
    2. ISS: Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza.
    3. IRPJ: Imposto de Renda Pessoa Jurídica.
    4. CSLL: Contribuição Social sobre o Lucro Líquido.
    5. PIS: Programa de Integração Social.
    6. COFINS: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social.
    7. IPI: Imposto sobre Produtos Industrializados.
    8. Contribuição Previdenciária Patronal.
    9. Contribuição para o Sistema S.
    10. IPVA: Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores.
    11. ITBI: Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis.
    12. ITCMD: Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação.
    13. IOF: Imposto sobre Operações Financeiras.
    14. Contribuição Sindical.
    15. FGTS: Fundo de Garantia do Tempo de Serviço.
    16. Taxas Municipais, como alvará de funcionamento e licenciamento ambiental.
    17. INSS: Contribuição para a Previdência Social.
    18. Taxas de Licenciamento e Fiscalização.
    19. TFA: Taxa de Fiscalização de Anúncios.

    É importante lembrar que a lista de impostos pode variar de acordo com a legislação vigente e a especificidade da empresa. Recomenda-se que uma microempresa consulte um contador ou especialista em contabilidade para garantir o cumprimento adequado das obrigações fiscais e tributárias.

Para saber mais informações consulte um de nossos especialistas agora mesmo!
📞 (31) 3508-2000
💻 Instagram: @contabilidadeconexus

×